João Pessoa, 13 de Novembro de 2018
Brasil
29/10/2018 as 17:16min - PB Agora
“Bolsonaro representa a classe média, agredida e abandonada pela esquerda”

O economista Paulo Roberto Nunes Guedes (Rio de Janeiro, 1949) é o principal conselheiro do candidato Jair Bolsonaro (PSL), que já admitiu em diversas ocasiões não entender de economia e recorrer sempre que precisa a seu "Posto Ipiranga" — uma referência a um comercial da TV no qual o posto é a resolução para tudo. Trata-se de uma parceria que até pouco tempo atrás parecia improvável, já que Bolsonaro, nostálgico da ditadura militar, sempre adotou posições estatizantes e intervencionistas na economia. Já Guedes é PhD pela Universidade de Chicago, berço dos Chicago Boys, economistas que na segunda metade do século XX influenciaram as reformas liberais de países como Chile, EUA e Reino Unido. Ele concedeu na última terça-feira uma entrevista ao EL PAÍS no escritório da Bozano Investimentos, da qual é sócio, localizado no nobre bairro do Leblon, na zona sul do Rio.

Vestindo um paletó xadrez que lhe confere ainda mais um ar de (neo)liberal inglês de meados dos anos 80, Guedes chega falante na sala de reunião onde ocorreria a conversa. Começa protestando sobre um artigo de opinião publicado pelo EL PAÍS em julho deste ano repercutindo uma entrevista que havia dado ao jornal Valor Econômico. Nela, ao ser questionado sobre a possibilidade de se afastar de Bolsonaro caso este representasse uma ameaça para a democracia, disse não acreditar que ele fosse capaz de dar esse passo. “Posso estar errado”, concluía. “Eu estava justamente dizendo que existe quase 0% de chance de ele ser um risco, mas o texto do EL PAÍS dizia que eu admitia a possibilidade de que ele fosse uma ameaça a democracia”, esclarece.

Para Guedes, que defende privatizar todas as estatais, a discussão sobre Estado mínimo ou intervencionista na economia é uma besteira, uma vez que ele sempre deverá estar presente. No entanto, ataca o que chama de “Estado disfuncional”, concentrador de privilégios corporativistas e previdenciários, herança de um modelo dirigista e centralizador da ditadura militar e que “a social-democracia” não conseguiu reformar. “A expansão ininterrupta dos gastos públicos nos últimos 30 anos corrompeu a nossa democracia e estagnou nossa economia”, opina. Conforme já se manifestou em diversas ocasiões, repete sua crença de que “a social-democracia se esgotou”. “Nosso grande desafio é transformar o Estado dirigista moldado pelo regime militar”.

 

CLIQUE AQUI E CONFIRA A ENTREVISTA NA ÍNTEGRA

 

El País

Foto: DANIEL RAMALHO

 


Certificado digital mais barato para advogados e contadores. Clique e saiba como adquirir

 

Compartilhe