A Azul anunciou, nesta quarta-feira (1º), a sua saída da Abear (Associação Brasileira das Empresas Aéreas). A companhia, uma das fundadoras da associação, criada em 2012, disse reconhecer as contribuições da entidade ao setor, mas "entende que a partir desse momento prefere representar seus interesses de forma direta".

Entre as fundadoras da Abear, além da Azul, estão Gol, Latam, a Trip, que se fundiu com a Azul posteriormente, e a Avianca, empresa em recuperação judicial e alvo de disputa entre as três maiores companhias do país: Gol, Latam e Azul.

"Estamos animados com nosso futuro. Vamos seguir com nossos planos de desenvolver cada vez mais cidades, mercados e frota, estimulando o acesso ao transporte aéreo para que ainda mais brasileiros possam voar pelo Brasil e pelo mundo. Já somos um grupo com mais de 12 mil pessoas, temos o maior número de destinos e voos diários no País e temos um caminho de muito crescimento pela frente. Por isso, entendemos que nosso diálogo com a sociedade civil, autoridades, órgãos competentes e demais stakeholders deve ser feito diretamente pela companhia", disse o presidente da Azul, John Rodgerson, em nota.

Avianca

A Azul foi a primeira a fazer uma oferta pela Avianca e, logo depois, viu as concorrentes entrarem na disputa, o que causou mal estar e tem gerado algum desentendimento entre as empresas.

Em entrevista recente, Rodgerson afirmou que a participação da Azul no leilão pelos ativos era pouco provável. "A nossa participação no leilão da Avianca é pouco provável e a chance de sua realização fica cada vez menor com retomada de aeronaves", afirmou o executivo.

Ele disse ainda que não pretende acionar a Gol e a Latam na Justiça, mas lamentou a atitude dos concorrentes, que estariam, segundo ele, tentando evitar a concorrência na ponte aérea que parte de Congonhas.

 

 


Certificado digital mais barato para advogados e contadores. Clique e saiba como adquirir

 

Total
0
Compartilhamentos
Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Bolsonaro anuncia bloqueio de R$ 1,44 bi; saúde e educação atingidos

Depois de revisar para baixo a expectativa de crescimento da economia neste ano, o Ministério da Economia anunciou nesta segunda-feira (22) um novo bloqueio de gastos de R$ 1,44 bilhão…