João Pessoa, 14 de December de 2017
Mundo
13/04/2017 as 14:59min - PB Agora
EUA lançam sua maior bomba no Afeganistão

Os Estados Unidos lançaram a sua maior bomba não-nuclear de seu arsenal na província de Nangarhar, no leste do Afeganistão, para atingir alvos do grupo jihadista Estado Islâmico (EI).

A informação foi confirmada pelo Pentágono, que acrescentou que a bomba GBU-43 é apelidada de "a Mãe de Todas as Bombas" e foi lançada através de um jato MC-130, de acordo com o porta-voz Adam Stump.

Segundo a emissora CNN, o artefato pesa quase 10 toneladas e pode destruir tudo em um raio de centenas de metros. Essa foi a primeira vez que o explosivo foi utilizado.

De acordo com o porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, o objetivo era atingir túneis e grutas usados pelos membros do EI. "Foram tomadas todas as precauções para evitar vítimas civis e danos colaterais", acrescentou

A bomba foi usada contra um grande grupo de terroristas do Daesh (autodenominado Estado Islâmico, proibido na Rússia e em vários outros países) no leste do Afeganistão.

"As forças dos EUA no Afeganistão realizaram um ataque em um complexo de túnel ISIS-K no distrito de Achin, província de Nangarhar, no Afeganistão, como parte dos esforços em curso para derrotar o ISIS (Daesh) no Afeganistão em 2017", informou o Comando Central dos EUA (CENTCOM) em comunicado à imprensa. "O ataque usou uma bomba GBU-43 lançada de uma aeronave dos EUA".

O comunicado acrescentou que que o CENTCOM planejou o ataque de modo a oferecer risco mínimo para forças afegãs e dos EUA que estão atualmente na área. O CENTCOM assegurou que os Estados Unidos tomaram todas as medidas necessárias para evitar vítimas civis durante esta operação.

A explosão aérea GBU-43 / B Massive Ordnance é uma bomba não nuclear convencional de grande rendimento, considerada a mais poderosa arma não nuclear já desenvolvida no momento da sua criação. Esta foi a primeira vez que a bomba foi usada em uma ação de combate.

Ela está em serviço desde 2003 e foi desenvolvida para a Guerra do Iraque.

 

Jornal do Brasil

Com as agências ANSA e Sputnik

Compartilhe