João Pessoa, 25 de Maio de 2019
Mundo
11/03/2019 as 07:31min - PB Agora
China proíbe voos locais com Boeing 737 MAX 8 após acidente na Etiópia

O órgão que supervisiona a aviação na China ordenou que todas as companhias aéreas do país suspendam os voos locais com o modelo Boeing 737 MAX 8 após a queda de uma aeronave na Etiópia que deixou 157 mortos. A Ethiopian Airlines também anunciou que suspendeu o uso do 737 MAX 8 em seus voos.

Foi o segundo acidente em 5 meses com este modelo, que é a versão mais recente do avião comercial mais vendido no mundo. No final de outubro último, 189 pessoas morreram em um voo da indonésia Lion Air.

O MAX 8 faz parte da quarta geração do 737 – é destinada a voos curtos e de médio alcance. O primeiro voo é de 2016, e a aeronave começou a ser entregue há dois anos. Nos dois acidentes, o avião caiu minutos após a decolagem.

Após o acidente com o 737 MAX 8 na Indonésia, a comunidade aeronáutica passou a questionar a falta de informação das companhias e dos pilotos sobre seu novo sistema de aviso de entrada em perda de sustentação, informa a agência AFP.

A Administração da Aviação Civil da China informou em comunicado que avisaria as companhias quando os voos poderiam ser retomados. De acordo com o órgão, será necessário entrar em contato com a Boeing para obter mais informações.

"Dado que os dois acidentes envolveram dois modelos Boeing 737 MAX 8 entregues recentemente e que ocorreram durante a fase de decolagem, há algum grau de semelhança", afirmou Administração da Aviação Civil da China.

O Boeing 737 MAX 8 caiu neste domingo (10) perto da cidade de Bishoftu, 62 km a sudeste de Adis Abeba. "O piloto mencionou que teve dificuldades e que queria voltar [a Adis Abeba]", afirmou o presidente da companhia aérea, Tewolde GebreMariam Medhin, em entrevista coletiva. Os controladores, então, "autorizaram-no" a dar meia-volta e retornar.

"Nós recebemos o avião em 15 de novembro de 2018. Ele voou mais de 1,2 mil horas. Havia voado de Joanesburgo [na África do Sul] mais cedo esta manhã", afirmou o CEO da Ethiopian Airlines. O piloto tinha mais de 8 mil horas de voo, segundo autoridades da companhia em coletiva.

"Como eu disse, é um avião novo em folha, sem registros de problemas técnicos, comandado por um piloto sênior, e não há nenhuma causa à qual possamos atribuir [o acidente] neste momento", disse o presidente da empresa aérea.

O avião levava 149 passageiros e 8 tripulantes. Segundo lista divulgada pela companhia, havia passageiros de mais de 30 nacionalidades diferentes. Havia quenianos, etíopes, norte-americanos, canadenses, franceses, chineses, egípcios, suecos, britânicos, holandeses, indianos, eslovacos, austríacos, suecos, russos, marroquinos, espanhóis, poloneses e israelenses.

G1

 

 


Garanta um desconto especial na sua certificação digital no Juristas Certificados Digitais

 

Compartilhe