Após examinar as imagens do circuito interno de TV, a Polícia Militar voltou a prender pela segunda vez um homem suspeito de esfaquear e matar o ator e professor de Teatro Simão Almeida Cunha em João Pessoa, no domingo (6), f

 

Ele havia sido detido na manhã da terça-feira (8), mas foi liberado pela Polícia Civil por não haver provas suficientes do envolvimento dele no crime.

No entanto, segundo o delegado Ademir Fernandes, imagens de câmeras de segurança obtidas pela Polícia Militar mostram o momento do crime. Por meio dessas, conforme o delegado, uma testemunha do crime identificou o suspeito, que tem antecedentes criminais.

 

As imagens foram entregues à Polícia Civil, que deve analisá-las, e o suspeito foi levado para a Central de Polícia de João Pessoa. A principal linha de investigação trabalhada pela polícia é a de latrocínio, ou seja, roubo seguido de morte.

 

Simão de Almeida Cunha, de 30 anos, era natural de Campina Grande e estava passando as férias na capital paraibana. Segundo testemunhas, ele foi visto saindo de um bar no Centro Histórico pouco antes do crime, por volta de 1h (horário local).

 

De acordo com uma testemunha, após ser abordado por um assaltante, Simão reagiu e foi esfaqueado. Ele chegou a ser atendido pelo Samu e encaminhado para o Hospital de Emergência e Trauma de João Pessoa, mas não resistiu aos ferimentos e morreu na tarde de domingo.

 

Redação

 


Veja como adquirir a certificação digital para pessoa física sem burocracia

 

Total
0
Compartilhamentos
Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Criança morre e mãe fica ferida após colisão com micro-ônibus na BR 230

Uma criança morreu e a mãe ficou gravemente ferida, na tarde desta quarta-feira (26), após a moto em que estavam ser atingida na traseira por um micro-ônibus que trafegava pelo…

‘Operação Xeque-Mate’: 1ª audiência com nove réus e 42 testemunhas ocorre hoje

Está confirmada para hoje (26), às 8h30, a primeira audiência de instrução e julgamento no processo principal da ‘Operação Xeque-Mate’. O juiz Henrique Jorge Jácome de Figueiredo, da 1ª Vara…