O debate acerca das mensagens trocadas entre o ministro da Justiça, à época atuando como juiz federal e o procurador da República Deltan Dallagnol no âmbito da operação Lava Jato, dominaram os debates da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) nesta terça-feira (11).

Um dos mais enfáticos em seu pronunciamento, o deputado Anísio Maia (PT) disse que suas palavras de hoje vieram só referendar as informações que ele sempre trouxe à tribuna, em relação ao ‘complô’ existente entre o juiz Sérgio Moro e os procuradores responsáveis pela Operação Lava Jato.

“O complô foi desmascarado. Nós tínhamos alertado diversas vezes, os advogados de Lula sempre denunciaram, mas agora não tem mais jeito. Os dois, o promotor Dallagnol e o senhor Sérgio Moro trabalharam em conjunto. E eu pergunto: você queria ser julgado por um juiz que combina tudo com o promotor? Ninguém admite isso, e porque o Sérgio Moro nós vamos admitir?” questionou.

Ainda de acordo com Anísio, Moro agiu orientando os procuradores como produzir provas e adiantando sentenças de suspeitos investigados pela operação.

“Dallagnol era subordinado a Sérgio Moro”, afirmou o petista.

Anísio defendeu que Moro seja afastado do Ministério da Justiça.

“Ele [Moro] tem que ser incriminado pelos crimes que cometeu”, disse.

PB Agora

 


Garanta um desconto especial na sua certificação digital no Juristas Certificados Digitais

 

Total
0
Compartilhamentos
Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Cientista político ressalta que juventude quer ser inserida na política e não só ser tratada como massa de manobra

Na sociedade de hoje encontramos várias tribos entre a juventude, a mesma que é vista, muitas vezes, como problema e solução para o país. Do mesmo modo que ouvimos expressões…

Análise: oposição buscará “anular” a força dos “ricardistas” na ALPB e assumir espaço no governo

A nova estratégia da oposição na Assembleia Legislativa, no que diz respeito ao segundo semestre, estará centrada em possíveis gestos de aproximação com o governador João Azevedo (PSB). Uma fonte…