João Pessoa, 23 de Março de 2019

COLUNISTAS

Brasil
11/05/2010 as 23:51min - Marcos Souto Maior Filho
ABC DO AMOR

Parece que foi ontem, quando meu primeiro filho nasceu, mas na verdade faz quase 10 anos, e, fiquei pensando como o tempo passa tão rápido. Logo percebi que era bobagem de pai ficando velho. Fui para o quarto e ao ligar a televisão, por ironia do destino, estava iniciando uma comédia romântica americana intitulada: “ABC do Amor”.

Decidi então assistir o filme que contava uma história passada na cidade de Nova York de um jovem de apenas 10 anos que se apaixona intensamente pela primeira vez.

Ao assistir o filme, lembrei de alguns comportamentos de jovens daquela idade, que muitas vezes consideram as meninas verdadeiras chatas, sem qualquer atrativo, e, o pior, um verdadeiro atraso de vida.

Na verdade, todos esses comportamentos e sentimentos, mudam depois do "primeiro amor", já que antes, os meninos, de pouco mais de uma década de vida, só têm tempo para futebol, basquetebol, natação, brincadeiras, lutas, coleção de figurinhas, vídeo game dentre outras coisas, sempre intercalados com o indispensável estudo; Eles tem tempo para tudo, menos para elas.

Na comédia romântica ABC do Amor, a paixão é vista pelo olhar de duas crianças, Gabe Burton e Rosemary Telesco, que estudam juntos desde que eram crianças.

Quando pequenos, os dois eram amigos, mas com o passar do tempo se distanciaram, voltando a se falar somente anos depois. Gabe Burton após o reencontro, percebe que estar se apaixonado, ainda que ele não entenda os sentimentos, que ao mesmo tempo o fascinam e o atormentam.

E assim Gabe Burton começa a difícil jornada em direção ao primeiro amor, a primeira coisa a fazer é se desdobrar para tentar ficar sempre ao lado de Rosemary Telesco, e naturalmente sofrer com o ciúme até então desconhecido e jamais sentido.

A primeira desilusão foi quando Gabe Burton toma conhecimento que sua amada Rosemary viajará para um acampamento no verão, e depois mudará de escola, o que poderá significar perde-la de vez.

Gabe Burton nunca havia corrido tantos riscos ao menos em sua primeira década de vida, e diante de sua inocência não saberia como agir para manter seu primeiro amor. Pronto Gabe Burton estava diante do primeiro e verdadeiro amor!

Particularmente acho que o amor deveria ser sempre como nos tempos do colégio, sem exigências, sem brigas maiores, onde, a maior preocupação eram o medo do primeiro beijo ou do convite para dançar nos assustados, O único problema em casa eram as cobranças pelas notas e o receio das chamadas orais no colégio.

Nada é tão importante quanto seu primeiro amor. Todo mundo lembra como foi a primeira experiência dos novos e estranhos sentimentos que acompanham esse tal primeiro amor, que podem causar confusão, alegria inebriante e às vezes, muita dor.

O amor infantil carrega em si uma inocência que acabamos perdendo junto com a entrada na vida adulta, com as complicações do dia a dia e cobranças do mundo globalizado.

O fim do "primeiro amor" de Gabe Burton por Rosemery Telesco acontece quando após a primeira reconciliação, sua amada rompe o relacionamento ao dizer ser muito jovem e não esta preparada para relacionamentos. A notícia do amor não correspondido cai como uma bomba na vida de Gabe Burton que corre para casa e chora copiosamente nos braços carinhosos e seguros da mãe.

No amor adultos e crianças são iguais, choram, se desesperam, sentem dor e aflição. Só o tempo cura tamanha instabilidade emocional com o fim do primeiro amor.

Essas imagens ou mesmo filmes passam pela minha mente, tão vivos como se eu estivesse lá no Pio X – Marista, onde, passei minha juventude e parte da adolescência, agora com a preocupação já que tenho filho com quase 10 anos de idade e na certeza que a qualquer momento chegar o seu primeiro amor.

Compartilhe

COMENTÁRIOS