João Pessoa, 21 de Janeiro de 2019

COLUNISTAS

Política
15/05/2011 as 13:40min -

O prefeito de João Pessoa, Luciano Agra (PSB), não decidiu ainda – tecnicamente – qual dos órgãos vinculados à administração pública ficará como responsável central pela obra de restauração do antigo sangradouro existente na lagoa do parque Solon de Lucena, localizado no centro da cidade e que está há muitos anos desativado, por entupimento e construções irregulares de galerias subterrâneas de águas pluviais.

Coriolano assume dragagem

Por enquanto, até que sejam definidas as áreas de atuação de cada um dos órgãos que serão envolvidos neste processo, o diretor-superintendente da Empresa Municipal de Limpeza Urbana, Coriolano Vieira Coutinho (PSB, na foto abaixo) ficará responsável pela condução inicial dos trabalhos de dragagem do espelho d’água e posterior remoção do entulho retirado de dentro da Lagoa, possibilitando o começo da fase seguinte, que será a desobstrução das galerias, construídas ainda nos Anos 20 do século passado.

Obstrução de 1,5 km já dura 89 anos

A distância obstruída desde 1922 chega a atingir um quilômetro e meio de entupimento, há décadas ignorados pelas sucessivas administrações municipais, que só notam o exato tamanho do enorme problema quando a ocorrência de fortes chuvas provoca o transbordamento da lagoa, por falta de uma via especifica para dar vazão à torrente de esgotos que correm em direção ao logradouro, gerando caos no trânsito e transtornos imensos aos transeuntes que caminham pelas imediações inundadas.

Chuvas provocam inundações

O acúmulo de lixo nas galerias pluviais é agravado pela mistura com esgoto sanitário e falta de drenagem nas águas servidas utilizadas para lavagem de carnes sangrentas, penas de galinhas e outros tipos de aves, peixes, feijão verde, milho, etc comercializados no Mercado Central, que caem na rede de dutos clandestinos que correm em direção à lagoa.

Galeria passa por baixo da cidade

Estes 1,5 km de galerias subterrâneas foram construídos há 89 anos, na época do governador Solon de Lucena, cabendo um homem em pé dentro dela, logo no seu início, mas sofrendo um abrupto estreitamento após sua passagem por debaixo do Ponto de Cem Réis, afunilando-se cada vez mais em direção ao rio Sanhauá, onde deveria desaguar normalmente, se essas vias de escoamento pluvial não estivessem completamente obstruídas.

    

Escoamento corta centro da Capital 

O percurso dessa galeria pode ser ilustrado pelas fotos colocadas no entorno deste texto, obedecendo-se a direção da rotação no sentido horário, ou seja: da esquerda para a direita, voltando abaixo na posição inversa, em sentido contrário.

1) Tomada d’água na Lagoa, nas proximidades da atual Praça da Pedra do Reino (saída do túnel “Damásio Franca”);

2) Percurso por baixo do Ponto de Cem Réis, em direção ao antigo Porto do Capim, passando pelas fundações do Quartel do Comando geral da Polícia Militar, praça Pedro Américo, 1º BPM, rua Alice Azevedo, Terminal de Integração, Rodoviária e linha do trem, até desaguar no rio Sanhauá;

3) O final dessa tubulação é mais ou menos na altura da antiga ponte do Baralho, que ligava João Pessoa ao município de Bayeux;

4) O rio Sanhauá segue depois em direção ao rio Paraíba, sendo seu último principal afluente antes da foz, na praia do Jacaré e porto de Cabedelo, porém afetado pela força das marés que existem em todas as áreas de mangue. 

  

Garis terão uma semana da festa

Nesta 2ª feira, é comemorado o Dia do Agente Municipal de Limpeza Urbana, com um café da manhã entre diretores e agentes de limpeza, na sede da Emlur, mas a festa mesmo, só será realizada no próximo dia 22 de maio (domingo vindouro), com uma feijoada oferecida aos garis que trabalham na prefeitura à beira da piscina da área recreativa do CAM (Centro Administrativo Municipal), localizado no bairro de Água Fria (zona Oeste da cidade).

Fiscalizando de sujeira a buracos

A Emlur possui atualmente uma equipe de 105 fiscais para verificar diariamente os locais da cidade onde existe lixo abandonado em terrenos baldios à espera de ser recolhido por alguém, buracos nas ruas, lâmpadas apagadas em postes de iluminação pública, canteiros e jardins que precisam ser capinados, fios de energia elétrica ou telefone derrubados no meio da rua, canos estourados de água tratada ou esgoto sanitário, etc.

Relatório estadual e municipal

Todas essas ocorrências são comunicadas através de relatórios detalhados ao superintendente da Emlur, que – por sua vez – encaminha cópias para os órgãos responsáveis por cada área dessas, notificando na esfera municipal a ST-Trans, Seinfra, Sedurb, etc e em nível estadual a Cagepa, Energisa, companhias telefônicas e empresas afins.

Calçadas pertencem aos prédios

Coriolano faz questão de enfatizar que a limpeza das calçadas de residências, prédios comerciais, hospitais, colégios particulares, etc, são de inteira responsabilidade de cada munícipe, não cabendo à prefeitura cuidar da boa aparência e manutenção do passeio público, quando existente em terreno particular, ou seja, em áreas privadas.

PMJP só remove entulhos

A presença física da prefeitura municipal de João Pessoa só se faz necessária quando a colocação de lixo ou detritos de construção passam a obstruir a passagem de pessoas ou a circulação de veículos por essas mesmas calçadas particulares, transformando o caso em problema de natureza pública, dado ao seu caráter de usufruto pela comunidade, ofensivo ao direito de ir e vir dos cidadãos.

Coleta terceirizada nos bairros

Hoje, três empresas terceirizadas dividem o serviço de coleta de lixo na Capital: Limp Fort, Marquise e Ambiental (que assumiu o lugar anteriormente ocupado pela Líder). Um funcionário qualquer dessas empresas que trabalha como gari, recebe na carteira profissional a quantia de R$ 562,00, como piso salarial da categoria.

Emlur toma conta do resto

Essas três firmas são responsáveis pela coleta em diversos bairros da cidade, distribuídos em zonas ou regiões, enquanto que a própria Emlur também recolhe lixo em determinadas áreas, além de intervir de maneira global em qualquer parte de João Pessoa, quando se trata de realização de eventos ou serviços de capinagem, pintura de meio-fio, limpeza de linha d’água, roço em canteiros e calçadas, praças públicas, etc.

Compartilhe

COMENTÁRIOS