João Pessoa, 20 de Maio de 2019

COLUNISTAS

Política
15/02/2019 as 19:54min - Wellington Farias

Independente de considerações sobre o mérito de todas as questões levantadas, das denúncias (que são gravíssimas e precisam ser apuradase) uma coisa soa estranho: essa onda comprometedora para a gestão passada só se ergueu no ar depois que Ricardo Coutinho passou a faixa para o seu sucessor João Azevedo.

 

Convenhamos, é uma coincidência estanha demais, que tudo isso só tenha acontecido após RC deixar o governo do Estado. Todo mundo criou coragem contra o Governo depois que RC entregou a caneta. Enquanto o ex estava no trono do Palácio da Redenção, necas de pistibiriba...

 

Nada disso, porém, neutraliza a necessidade de que todas as denuncias sejam rigorosamente investigadas e, se for o caso, que os responsáveis sejam rigorosamente punidos.

 

Mas que é estranho é...

 

Previdência

Vocês já notaram que tanto o noticiário quando os comentários e análises de quase toda a imprensa sobre a reforma da Previdência só levam em conta o que o “mercado” acha? O mercado, o empresariado reagiu bem ou reagiu mal, e... pronto.

 

Ora, mas o que acha o trabalhador, ninguém quer saber? Não vale nada?

 

Deu águia pra Época

Uma das três maiores revistas impressas de circulação nacional, a Época, pertencente à Editora Globo, foi condenada a pagar indemnização por danos morais a Coriolano Coutinho, irmão do ex-governador Ricardo Coutinho. O valor estipulado para a punição é irrelevante para um veículo de tal porte: R$ 10 mil.

A condenação foi aplicada pela Quarta Câmara Especializada Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba. Assim, manteve sentença proferida pelo Juízo da 4ª Vara Cível da Comarca da Capital. A relatoria do caso foi do juiz convocado Miguel de Britto Lyra Filho.

 

De acordo com informações do TJ, o alvo da ação de indenização foi uma reportagem publicada pela revista Época em 2011, que trazia a informação segundo as quais Coriolano Coutinho teria feito superfaturamento e caixa 2 para campanha do irmão ao Governo da Paraíba em 2010.

 

Parado?!

O Tribunal de Contas do Estado da Paraíba (TCE-PB) fará minucioso levantamento para verificar quais e em que circunstâncias estão as obras públicas paralisadas na Paraíba. O objetivo é ter um quadro detalhado para tentar apresentar soluções capazes de promover a retomada das obras e sua conclusão.

 

Para tanto, o TCE vai pedir que os órgãos da administração direta e indireta do Estado e dos municípios, respondam a questionário sobre o assunto. A ação nacional é coordenada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ),Tribunal de Contas da União (TCU) e Associação dos Tribunais de Contas do Brasil (Atricon). O prazo para o preenchimento vai até o próximo dia  26.

 

 

 


Saiba mais sobre Certificação Digital no Portal Juristas. Adquira seu certificado digital E-CPF ou E-CNPJ com a Juristas Certificação Digital. Entre em contato através do WhatsApp (83) 9 93826000

 

Compartilhe

COMENTÁRIOS