Uma briga de egos entre o governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) contra as mais diversas alas do Partido dos Trabalhadores e siglas de “esquerda” está em curso. Muito em função de questões ideológicas, pois é sabido que ônus e bônus no Congresso, entre deputados e senadores, está pautado em conveniências e “presentes” feudais oferecidos pelos que estão à frente da “ferrovia”, apenas para colocar um “eufemismo” nas relações entre poderes.

É interessante saber que o Congresso tem o poder de trancar a dita pauta das matérias em curso para análise. Esse expediente tem vários nomes. Fisiologismo, principalmente. É legislar contra o povo e em favor de poucos. E nesse contexto de trocas; idas e vindas de “favores”, um óbice sério foi “desatado” na tarde desta quarta-feira. Mesmo com a crise do chamado “Caso Moro”, o governo Bolsonaro conseguiu, na tarde de hoje, aprovar um crédito suplementar de R$ 248,9 bilhões e “escapar” da tão propalada “Regra de Ouro”.

Na pratica, por esse mecanismo constitucional, o Executivo não pode contrair dívidas com a emissão de títulos do Tesouro Nacional para pagar despesas correntes, como salários, aposentadorias e benefícios sociais. Dilma Rousseff fez isso e foi pega. Resultado: veio o impeachment nas famosas “Pedaladas Fiscais”. Bolsonaro conseguiu, mesmo em tempos turbulentos, emplacar uma vitória na Comissão Mista de Orçamento (CMO). Agora a proposta segue para análise dos deputados e senadores em sessão conjunta no Congresso ainda nesta terça-feira, havendo ampla possibilidade de ser aprovada.
 
Em síntese, o “capitão” jogou um pouco de água fria na crise que envolve Sérgio Moro, pois o Congresso (oposição) condicionava a presença do ministro para eventuais explicações e, só então, analisaria o crédito suplementar. Havia é há a indisposição nítida dos que figuram o bloco de esquerda e direita no Senado e na Câmara dos Deputados. O “Monte Everest” do Partido dos Trabalhadores de Lula, e as Colinas Rochosas dos bolsonaristas estão aí, ali e alhures.

Mas para a alegria geral da nação, muito diálogo e raro senso de prudência, a CMO aprovou, com gregos e troianos presentes, a operação de crédito de despesas correntes. Havia, e ainda há, embora menor, a possibilidade dos programas sociais do governo federal ficarem paralisados caso o crédito não seja aprovado em plenário. Mas tudo indica que a proposta passará graças a manobras políticas bem elaboradas e firmemente costuradas entre o chamado “centrão”, oposição e situação.

As junções nesse esforço coletivo só foram possíveis depois de acordos dos líderes partidários. Na agenda o governo retomará repasses de R$ 1 bilhão para o programa Minha Casa, Minha Vida, R$ 330 milhões para bolsas de pesquisa científica, R$ 550 milhões para a quase “eterna” e superfaturada transposição do rio São Francisco.

Ainda existem outras boas notícias: o governo, que ameaçava suspender, a partir de 25 de junho, o pagamento de benefícios sociais caso o crédito extra fosse barrado, continuará a ser pago sem solavancos. Estou falando de programas como benefícios a idosos e pessoas com deficiência e Bolsa Família. 

Essa é uma boa história para ser contada aos mais próximos. Pelo menos até agora. 

Atualizada às 19h35

Eliabe Castor

PB Agora

 


Saiba mais sobre Certificação Digital no Portal Juristas. Adquira seu certificado digital E-CPF ou E-CNPJ com a Juristas Certificação Digital. Entre em contato através do WhatsApp (83) 9 93826000

 

Total
0
Compartilhamentos
Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Governo quer conceder 16 mil km de rodovias à iniciativa privada

O governo federal pretende transferir 16 mil quilômetros (km) de rodovias para a iniciativa privada por meio de concessões, disse hoje (24) o ministro da infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas.…

Turma do STF retira de pauta pedido de suspeição de Moro

A presidente da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, retirou de pauta nesta segunda-feira (24) um pedido de liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.…