João Pessoa, 24 de Janeiro de 2018
Cultura
09/07/2017 as 15:32min - PB Agora
PMCG já estuda  transferência do São João para outro lugar

 Projetado há 34 anos pelo poeta Ronaldo Cunha Lima, o Maior São João do Mundo, pode sair do Parque do Povo no próximo ano, o que tem deixado os comerciantes apreensivos.

A empresa Aliança, que este ano geriu o evento, alega que o São João cresceu em tomou dimensões grandiosas, não comportando mais a multidão de turistas e forrozeiros que acorre para o Quartel General do Forró no mês de junho. Os 42 mil metros quadrados do Parque do Povo, estaria pequeno para comportar a festa junina da cidade.


Aós a mudança de layout no Parque do Povo para a edição 2017, o prefeito Romero Rodrigues (PSDB), já estuda a possibilidade de transferir o local de realização da festa do Parque do Povo para uma outra área da cidade, possivelmente a partir do ano que vem. As especulações aumentaram depois que a prefeitura comprou o antigo Clube dos Caçadores. O secretário de Planejamento, André Agra,  negou que a prefeitura estivesse pensando em transferir a festa junina de local, mas já admite que estuda a possibilidade de um novo espaço.


"A secretaria participou de um projeto de planeamento de 20 anos e foi ventilada a ideia de criar uma cidade de eventos. A determinação do prefeito foi de estudo, a equipe tem pré-projetos, mas ainda falta a conclusão para o prefeito decidir se muda ou não. A gente tem necessidade de uma expansão de área, não significa dizer que deixaremos de cultuar o parque do povo, mas é necessário expandir os espaços. A perspectiva é criar uma cidade de eventos para o ano todo", disse o secretário.

A transferência do Maior São João do Mundo do Parque do Povo para outra área da cidade poderia significar a transferência do Sítio São João do local onde ele é montado atualmente, no bairro do Católé, para o PP, conforme confirmou o idealizador do espaço, o vereador João Dantas.

"Se por acaso o prefeito Romero entender e montar o Sítio São João numa área maior para poder atender uma demanda maior da população, o Sítio poderia ser montado no espaço (Parque do Povo). Mas vai depender também do entendimento, de conversas e de interesse mútuo", disse João Danas, em entrevista à Rádio Caturité AM.

Só que a possibilidade de saída do São João do Parque do Povo, não tem agradado aos comerciantes. A maioria é contra a mudança, e alega que a festa junina nasceu e cresceu em função dos comerciantes que no mês de junho passam as trinta noites no Parque, vendendo as comidas e bebidas típicas. Sem eles, a festa não teria o mesmo sucesso.

“O São João começou com os comerciantes. Nós há mais de 30 anos ajudamos a tornar essa festa grandiosa” observou uma comerciante que pediu para não se identificar.
Este ano, a Associação dos Comerciantes do Maior São João do Mundo, emitiu uma nota repudiando a atitude de um patrocinador e ao mesmo tempo, pedindo a permanência da festa no Parque do Povo.

“São aproximadamente 400 comerciantes, entre restaurantes, bares, quiosques e ambulantes que se instalam na festa, sendo 15 dias de montagem da estrutura e 30 dias de festa. Os milhões de forrozeiros que visitam o evento come e bebem nos pontos comerciais que instalamos no evento. Somos a porta de entrada e saída do mesmo”, assinou o presidente da Associação, Lucinei Cavalcanti.
Lucinei afirmou que quase 400 comerciantes atuaram no Parque do Povo este ano, entre pontos fixos e vendedores ambulantes, e citou que três pontos precisam ser revistos pela empresa realizadora do evento, a Aliança.


Em entrevista a Rádio Caturité, Cavalcanti manifestou o seu posicionamento contrário ao monopólio da obrigatoriedade de compra em um só distribuidor. Outros pontos avaliados pela associação, segundo Lucinei, foram a variedade dos produtos, o espaço do depósito e a competitividade vista pelo patrocinador da festa.
Ele afirmou que o patrocínio deve existir para que haja a exposição da marca e não para instalar uma competição direta com os comerciantes do local.

– Nós, barraqueiros, somos otimistas e terminamos essa edição esperando que no próximo ano os erros cometidos este ano sejam corrigidos. Muito mais do que jogar pedra, estamos prontos para ajudar a corrigir – reforçou, defendendo a permanência do evento no Parque do Povo.

Severino Lopes

PB Agora

Compartilhe