A Diocese de Campina Grande completa 70 anos de fundação. Para celebrar a data, uma Missa em ação de graças será presidida pelo Bispo Diocesano de Campina Grande, Dom Dulcênio Fontes de Matos, na Catedral Diocesana, 19h. A Celebração Eucarística será concelebrada pelo Arcebispo Auxiliar de Fortaleza, Dom Valdemir Vicente e o clero diocesano.

Criada em 14 de maio de 1949, pelo Papa Pio XII, o território eclesiástico que compreende a Diocese de Campina Grande foi desmembrado da Arquidiocese da Paraíba, por meio da Bula, “Supremum Universi” do Papa Pio XII.

A diocese está entre as cinco dioceses da Província Eclesiástica da Paraíba, sendo a terceira mais antiga. A Arquidiocese da Paraíba com sede em João Pessoa – criada em 1892; a Diocese de Cajazeiras, criada em 1914; a Diocese de Patos, criada em 1959 e a Diocese de Guarabira criada em 1980.

O primeiro bispo diocesano foi Dom Frei Anselmo Pietrulla, vindo da Prelazia de Santarém, no Pará, tomando posse no dia 13 de novembro de 1949, um dia após a instalação da diocese. Seu tempo de pastoreio encerrou-se em 1955, quando foi transferido para a Diocese de Tubarão (Santa Catarina), onde morreu como bispo emérito em 25 de Maio de 1992.

O primeiro bispo desta diocese foi Dom Frei Anselmo Pietrulla, vindo da Prelazia de Santarém, no Pará. Ele tomou posse no dia 13 de novembro de 1949, um dia após a instalação da Diocese e ficou até 1955, quando foi transferido para a Diocese de Tubarão(Santa Catarina), onde morreu como bispo emérito em 25 de Maio de 1992.

Dom Otávio Barbosa Aguiar

A 19 de maio de 1956, o Papa Pio XII nomeou para a Diocese de Campina Grande seu segundo bispo, Dom Otávio Barbosa Aguiar, antes bispo auxiliar de São Luís (Maranhão), tendo ele governado até ser transferido, em 8 de julho de 1962, para a Diocese de Palmeira dos Índios (Alagoas), onde governou até renunciar em 29 de março de 1978, tornando-se bispo emérito e residindo em Maceió até sua morte ocorrida em 8 de dezembro de 2004.

Dom Manuel Pereira da Costa

O Papa João XXIII nomeou Dom Manuel Pereira da Costa, antes bispo da Diocese de Nazaré da Mata (Pernambuco), que tomou posse como terceiro bispo de Campina Grande a 30 de setembro de 1962, ficando no pastoreio até 1981, quando renunciou por motivos de saúde. Primeiro bispo emérito de Campina Grande, viveu os últimos anos de vida no Lar da Providência em João Pessoa (Paraíba) após um longo período de enfermidade e morreu no dia 26 de julho de 2006, sendo sepultado no cemitério do Senhor da Boa Sentença em João Pessoa.

Dom Luís Gonzaga Fernandes

O Papa João Paulo II, aos 12 de setembro de 1981, nomeou Dom Luís Gonzaga Fernandes, antes bispo auxiliar da Arquidiocese de Vitória (Espírito Santo), como quarto bispo diocesano de Campina Grande, cargo do qual tomou posse a 17 de outubro de 1981. No dia 29 de agosto de 2001 o Papa João Paulo II aceitou a renúncia de Dom Luís Fernandes. Após passar dois anos enfermo Dom Luís Fernandes morreu em João Pessoa no dia 4 de abril de 2003. Seu corpo foi sepultado à frente do altar de Santa Teresinha do Menino Jesus na Igreja Catedral de Nossa Senhora da Conceição em Campina Grande.

Dom Matias Patrício de Macedo

Em 12 de julho de 2000, João Paulo II, nomeou como bispo coadjutor da diocese, Dom Matias Patrício de Macedo que assumiu sua missão em 22 de setembro de 2000, transferindo-o da Diocese de Cajazeiras. No dia 29 de agosto de 2001 Dom Matias foi nomeado quinto bispo diocesano de Campina Grande e governou até 26 de novembro de 2003 quando foi promovido a arcebispo e transferido para a Arquidiocese de Natal (Rio Grande do Norte).

Dom Jaime Vieira Rocha

No dia 16 de fevereiro de 2005, o Papa João Paulo II, nomeou Dom Jaime Vieira Rocha como sexto bispo de Campina Grande, transferindo-o da Diocese de Caicó (Rio Grande do Norte). Dom Jaime passou a exercer o seu ministério episcopal à frente do nosso governo diocesano no dia 23 de abril de 2005. No dia 21 de dezembro de 2011, o Papa Bento XVI, o nomeou como sexto arcebispo metropolitano de Natal transferindo-o da Diocese de Campina Grande.

Dom Frei Manoel Delson

No dia 8 de agosto de 2012 o Papa Bento XVI nomeou Dom Frei Manoel Delson Pedreira da Cruz o sétimo bispo de Campina Grande, transferindo-o da Diocese de Caicó. Dom Delson tomou posse em concelebração na Catedral Diocesana de Campina Grande no dia 29 de setembro de 2012. No dia 08 de março de 2017, o Papa Francisco, o nomeou como sétimo Arcebispo Metropolitano da Paraíba transferindo-o da Diocese de Campina Grande.

Dom Dulcênio Fontes de Matos

No dia 11 de outubro de 2017 – aniversário de 153 anos de emancipação política de Campina Grande – o Papa Francisco nomeou Dom Dulcênio Fontes de Matos o oitavo bispo de Campina Grande, transferindo-o da Diocese de Palmeira dos Índios no Estado das Alagoas.

Atualmente a Diocese de Campina Grande é composta por 68 paróquias, incluindo santuários e áreas pastorais, numa área territorial que abrange 61 municípios. O clero diocesano é composto por 111 padres, 91 diocesanos e 21 religiosos; e 18 diáconos, sendo 2 provisórios e 16 permanentes.

Redação

 


Leia mais notícias sobre o mundo jurídico no Portal Juristas. Adquira seu certificado digital E-CPF ou E-CNPJ com a Juristas. Entre em contato através do WhatsApp (83) 9 93826000

 

Total
0
Compartilhamentos
Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário
Notícias relacionadas

Coro da PB apresenta concerto em homenagem a Jackson do Pandeiro

O Coro Sinfônico da Paraíba faz seu segundo concerto em homenagem ao centenário de Jackson do Pandeiro, desta vez na cidade natal do Rei do Ritmo. A apresentação tem regência…