O HOMEM NÃO CONHECE A SUA HORA  

Todos conhecem a máxima de que o tempo passa. Quem não recorda de momentos da infância, e hoje, já adulto, percebe que o tempo passou muito rápido. E não sabe quanto tempo ainda tem para viver. No verso seguinte (12), Salomão completa o raciocínio: “Pois o homem não conhece a sua hora” e então ilustra com uma imagem cheia de realidade “Como os peixes são apanhados na rede mortal, e os passarinhos são pegos na armadilha, assim também os homens são enredados pelos tempos difíceis que lhes sobrevêm de repente.”

Segundo elemento é o acaso, esse “repente”. São acontecimentos inesperados que ninguém tem o controle deles. Pode-se fazer de tudo para ter uma qualidade de vida, seguir uma boa dieta, praticar atividade física, e isso ajudará a viver melhor e poderá trazer longevidade com qualidade de vida. Contudo, não se pode determinar quanto tempo será vivido, pois o inesperado existe. Na administração chama-se de variável incontrolável, fator que está fora de planejamento e impõe uma nova realidade.

Esses acontecimentos, em muitos casos, fogem à lógica. Salomão disse que viu o bom e o mal, o justo e o impiedoso irem para o mesmo lugar, a cova, e exclamou que isso não fazia sentido também. Como tantas outras coisas na vida não fazem sentido. Queremos entender o porquê de acidentes tão trágicos acontecem com pessoas boas. Mas não temos respostas simples para tais questionamentos.

ADÃO E EVA,  A NOSSA HISTÓRIA

A Bíblia nos dá alguns indicativos que traz luz a esse assunto. No livro de Gênesis no capítulo 3, podemos ler uma narrativa da primeira tragédia na humanidade. Adão e Eva decidiram desobedecer a Deus, e como consequência veio a morte, e foram expulsos daquele lugar para sempre.

Criados por Deus, os seres humanos foram tecidos de forma única dentre toda a criação. O Criador decidiu fazer o homem e mulher capazes de se relacionarem com ele de forma racional, espiritual e espontânea. O inseriu em um ambiente chamado de paraíso, o jardim do Éden. Era um paraíso mesmo, não sentiam dor alguma, tristeza, medo e também não possuíam nenhuma carência. Tudo era perfeito. Sem estresse!

Mas o pecado de Adão afetou toda a raça humana, por ser o representante legal da raça. O ato de decisão de livremente desobedecer a Deus causou a tragédia e a morte. A evolução pode ser acompanhada rapidamente, no capítulo seguinte, quando ocorre o primeiro assassinato da história da humanidade. Caim matou por inveja o seu irmão Abel.

Parece algo bobo quando Deus disse a Adão que ele poderia comer de tudo o que possuía no jardim, exceto do fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal. Contudo, eles decidiram livremente desobedecer a Deus, pois não eram pecadores em sua natureza. Hoje uma criancinha quando nasce não tem esse mesmo privilégio, pois já nasce, a luz da Bíblia, como um pecador, tendo dentro de si a inclinação para o mal. Assim como Davi registrou no Salmos 51, que “do pecado, o concebeu a sua mãe”.

Hoje, vivemos no mundo onde habita o pecado. Até a natureza, as questões climáticas por exemplo, foram afetadas pelo pecado. Paulo escrevendo aos Romanos, no capítulo 8, ele falou que a natureza aguarda ansiosamente por sua restauração.

Dentro desta perspectiva, todo o ser humano tem dentro de si o pecado, um grau de maldade, que o torna indesculpável diante de Deus que é santo. Isso explica tanta desordem no mundo. Tanta maldade no mundo. Como disse Albert Einstein: “O mal é a ausência de Deus”.

Mas Deus sendo bom, como ele permite tanta coisa mal acontecer com as pessoas boas? Podemos ver tanta bondade de Deus através do Sol que nasce para todos, os bons e os maus, o ar que todos respiram sem terem feito nada para merecer. Independente da condição de maldade e desejo de andar em caminhos antagônicos ao de Deus, Deus é bom. Bondade, esse é um dos atributos de Deus que se estuda na Teologia, assim como amor e justiça, entre outros.

Deus não pode ser responsabilizado pelas decisões erradas das pessoas que seguem seus desejos equivocados, os levando por caminhos que se afastam mais de sua bondade.

A maldade do homem não é revelada apenas quando há um homicídio, mas pode ser identificada em interesses econômicos exploratórios, aditivos químicos para se obter uma maior produção de produtos agrícolas, por exemplo, que acabam trazendo males para a sociedade.

O CAMINHO E A VERDADE

Por fim, os eventos desastrosos, acontecem porque o mundo está defeituoso, desde a queda, sendo o homem o único culpado. Mas há uma boa notícia. A promessa Bíblica que foi cumprida em Cristo, em seu nascimento virginal, morte e ressurreição, e a promessa de que voltará para restaurar todas as coisas, ao modelo do jardim do Éden. Essa promessa redentora, se inicia agora nas vidas daqueles que reconhecem sua condição de pecado e pela fé se voltam a Deus, desejando seguir os passos de Cristo.

Então, já que sabemos que não podemos ter o controle dos eventos da vida, e que o inesperado é uma probabilidade real, não seria razoável priorizar tudo o que é bom?

No dia de hoje, aliás, agora mesmo, podemos pedir perdão, perdoar, ser libertos das correntes das mágoas que nos aprisionam e nos faz adoecer. Fazer homenagens as pessoas em vida. Encarar a vida como uma dádiva de Deus, e enxergar tudo por essa perspectiva de agradecimento pelo dom da vida. Agradecer, pelos momentos tristes que nos fazem crescer e cultivar os momentos alegres. E sobretudo viver com a esperança vívida de que Deus vai recriar tudo novo, e então viver eternamente com Deus e com todas as pessoas que desistiram de seguir seus próprios caminhos e pela fé, decidiram ser guiados pelo próprio Deus.

No final do seu livro Eclesiastes, Salomão chega a uma conclusão arrebatadora para aqueles que vivem buscando sentido na vida, assim como ele buscou: “Tema a Deus e guarde os seus mandamentos, pois isso é o essencial para o homem.” Ec 12.13

 

VOLTAR PARA A PARTE 01 DO ARTIGO

 

Por Fabio Targino

Especial para o PB Agora

 


Certificado digital mais barato para advogados e contadores. Clique e saiba como adquirir

 

Total
0
Compartilhamentos
Total
0
Compartilhamentos
Deixe seu Comentário