João Pessoa, 20 de Abril de 2019
Esportes
24/01/2019 as 18:00min - PB Agora
FRAUDE: clube da Paraíba admite ter cadastrado torcedores fantasmas

Como se não bastasse o esquema de corrupção no futebol paraibano denunciado na Operação Cartola, os clubes da Paraíba também podem ter fraudo o Gol de Placa. O Nacional de Patos já admitiu que colocou dados falsos no cadastro do programa e culpou “pessoas terceirizadas” pela fraude no programa.

 

O secretário de Esporte, Juventude e Lazer da Paraíba, Zé Marco, disse que se assustou com o número de torcedores fantasmas no torneio local e que vai investigar o cadastro feito pelos clubes no programa Gol de Placa.

 

Ele informou que pediu os dados lançados nos últimos três jogos pelos 18 clubes beneficiados na plataforma da secretaria.

 

De acordo com o secretário, o Governo vem aperfeiçoando o programa e criando filtros para combater qualquer irregularidade. Ele lembra que a partir deste ano o CPF dos torcedores precisam constar na nota fiscal. A medida, segundo Zé Marco, já inibe o risco de fraude. Agora, após a denúncia, outras medidas serão colocadas em prática.

 

- Estamos estudando uma forma junto à Codata para que a troca da nota por ingresso gere um QR-Code, que será posteriormente enviado para a secretaria da Receita. Só depois dessa conferência é que os clubes terão o repasse da verba - explicou.

 

Ainda de acordo com Zé Marco, a secretaria adota um controle rígido para pagamento. Ele lembra que os clubes informam os ingressos trocados no programa Gol de Placa através de um sistema específico, onde cada clube cadastra os ingressos trocados. Posteriormente, esse número é comparado com o borderô do jogo.

O Gol de Placa foi criado para incentivar torcedores a irem a jogos na Paraíba e ajudar a financiar os clubes. Pelas regras do programa, os torcedores podem trocar notas fiscais por ingressos. O valor das entradas é pago aos clubes por uma empresa, que, em troca, recebe desconto do governo no pagamento de ICMS.

 

A previsão para 2019 era de que os dez clubes da elite paraibana dividissem R$ 4,1 milhões no programa.

Com a fraude, detectada em jogos de 2019 e 2015, os clubes conseguiam aumentar o número de torcedores em seus jogos e justificar um montante superior de repasse da empresa patrocinadora do programa.

 

No jogo em Patos, quando o time da casa venceu o CSP por 2 a 1, todas as notas lançadas no sistema eram de um posto de gasolina na capital João Pessoa, a mais de 300 km de distância.

O borderô da partida publicado no site da Federação Paraibana de Futebol mostra que 1.620 torcedores que retiraram seus ingressos pelo programa entraram no estádio. No documento, os bilhetes renderam ao time local R$ 25.200, equivalente a 78% da renda total de R$ 32.280.

Excluindo os “fantasmas”, apenas 354 torcedores pagaram para assistir ao jogo.

 

Em nota, o Nacional de Patos disse que “os serviços pertinentes à troca de cupons do Programa Gol de Placa, assim como programa de sócio torcedor, e outros era realizada por pessoas terceirizadas, que tinham o condão de realizar as referidas trocas observadas os ditames legais.”

O clube ainda afirma ter solicitado o cancelamento dos cadastros.

 

O Botafogo trocou mais de 4.000 ingressos do programa em apenas uma partida em 2015 e não pediu autorização ao governo, como determina a lei. Em nota, o clube não comentou o ocorrido e disse que “reitera que sempre seguiu rigorosamente os requisitos exigidos pelo governo da Paraíba”.

Redação

 


Garanta um desconto especial na sua certificação digital no Juristas Certificados Digitais

 

Compartilhe