João Pessoa, 24 de Janeiro de 2018
Policial
18/05/2017 as 14:30min - PB Agora
Cresce número de crianças vítimas de abuso sexual em João Pessoa

A cada cinco dias uma denuncia revela que uma criança é abusada sexualmente na capital paraibana. É o que revelam os dados da Coordenadoria de Proteção Social, Especial de Média Complexidade da Prefeitura Municipal de João Pessoa, que registram cerca de 35 denúncias nos primeiros cinco meses do ano. De acordo com a coordenadora Josenilda Nascimento, esse número pode ser bem superior, mas a instituição trabalha apenas com os dados apontados pelas denúncias.

 

E foi para aumentar o número de denúncias que diversas entidades e órgãos da Prefeitura de João Pessoa, em parceria com a CBTU João Pessoa, desenvolveram nesta quinta feira, 18, Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, diversas ações de conscientização, abordagem, distribuição de material educativo e apresentação cultural nas estações e no interior dos trens. Durante toda a manhã, mais de três mil passageiros puderam conhecer estórias reais de abusos, seja sexual ou através do trabalho, contra a criança.

 

De acordo com a coordenadora do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti), Ariane Nogueira, cerca de 90% dos casos são registrados no âmbito da família e vizinhança. Ela explica que a mudança de comportamento das crianças é a primeira observação que pode ser feita para detectar um abuso. “Depois ela começa a apresentar um tristeza profunda, medo, queda de rendimento na escola e vergonha”, afirma.

 

Para denunciar abusos e a exploração sexual de crianças e adolescentes basta ligar para o número 100 ou 123 ou ainda 0800 282 7969 ou procure o Conselho Tutelar mais próximo de sua residência. O 18 de Maio é considerado o Dia Nacional de Enfretamento ao Abuso e a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes em homenagem a uma menina de Vitória (ES) que foi sequestrada, espancada, estuprada, drogada e assassinada numa orgia em 1973 e virou símbolo da luta pelo fim da violência sexual.

 

Compartilhe