João Pessoa, 21 de Fevereiro de 2019
Política
07/01/2015 as 11:15min - PB Agora
Oposicionista destaca que novo secretariado de RC não muda nada

O assistente social e ex-candidato a governador da Paraíba, Tárcio Teixeira (PSOL) publicou em nota no seu blog uma análise sobre o novo secretariado anunciado pelo governador Ricardo Coutinho (PSB) que foi reeleito e começou seu segundo mandato no último dia 1º de janeiro de 2015.

Para Tárcio, novos nomes ilustram a velha formar de governar, nada muda. 

Confira a nota do oposicionista do PSOL:

 Governo Ricardo II e o "Novo" Secretariado, Nada Muda


No dia 30 de dezembro de 2014 eu saía da sede do Conselho Regional de Serviço Social quando fui abordado por um trabalhador, com um olhar firme ele segurou no meu braço e disse: “tudo que o senhor dizia tá acontecendo, é uma safadeza só”, ele fazia referência aos debates do último processo eleitoral e comparava com os atuais conchavos políticos e a situação de algumas políticas públicas. Quem acompanha minhas intervenções sabe que tenho muito cuidado com as palavras, mas nesse momento não tem outra afirmação a ser feita, é uma safadeza só.

 

Não precisa ser nenhum especialista em política para perceber que não tem nada de novo no secretariado do Governo Ricardo II: alguns seguem nas mesmas pastas, com os mesmos problemas; outros mudaram de secretaria, mas levam a onda privatizante e o arrocho aos servidores; e ainda existem os que abrem espaço para os velhos e os novos conchavos políticos.

 

Alguns dizem ter votado contra as oligarquias, mas seguem os Efrains, Felicianos e Vitais, paro aqui para não estender a lista e não entrar nas novas oligarquias. Outros afirmam ter votado por comparar trabalho, e Ricardo II começa anunciando contenção de despesas, como se tivéssemos dinheiro sobrando na Educação, Saúde, Segurança e Mobilidade Humana, políticas que sofreram cortes nos últimos anos.

 

Os que votaram contra os conchavos foram surpreendidos (alguns ainda se surpreendem) com o rateio dos cargos e a antecipação das eleições municipais de 2016, que podem ir de uma grande pulverização, até novas rupturas e/ou outros conchavos, daqueles que misturam Coutinhos (PSB), Cunhas Lima (PSDB), Cartaxos (PT) e Maranhão/Vitais (PMDB).

 

Entramos em 2015 com homicídios nas ruas e rebelião em presídio, crise na saúde e ameaça de intensificação do processo de privatização, nenhum concurso anunciado na Secretária de Desenvolvimento Humano (nunca houve), mais do mesmo para habitação e agricultura, promessas e mais promessas para o semiárido.

 

Sem essa de novo governo. São outros conchavos, mas é a mesma forma de governar".

 

Ascom

Compartilhe