Por pbagora.com.br

Em nota encaminhada à imprensa, na tarde desta segunda-feira (09), a Federação Paraibana de Futebol se disse surpreendida com a Operação Cartola e presta esclarecimentos.

 

NOTA DE ESCLARECIMENTO

A Federação Paraibana de Futebol, através de seu presidente Amadeu Rodrigues da Silva Junior, considerando as notícias publicadas acerca da OPERAÇÃO CARTOLA realizada pela Delegacia de Defraudações e Falsificações de João Pessoa e Grupo de Atenção Especial contra o Crime Organizado através da 4ª Vara Criminal de João Pessoa (PB), vem ao público, aos desportistas, filiados e demais interessados informar o que se segue.

 

Inicialmente, destaque-se que, dado o sigilo da operação, todo o corpo de dirigentes e funcionários da Federação Paraibana de Futebol foi surpreendido com a atitude drástica realizada, posto que o corpo jurídico disponibilizou antecipadamente (Março/18) e de forma espontânea a abertura dos sigilos bancários, telefônicos e fiscais, não só da FPF (PB), como também de seu presidente, demonstrando a completa tranquilidade e apoio às investigações.

 

Outrossim, talvez por desconhecimento do organograma funcional do futebol paraibano e a mudança de rumo na gestão da FPF (PB), as informações passam a sensação de que todos os órgãos investigados são elementos de uma mesma instituição.

 

Mister esclarecer que a Federação Paraibana de Futebol e o Tribunal de Justiça Desportiva são órgãos autônomos, assim como a Comissão de Arbitragem (CEAF), inexistindo qualquer ingerência por parte do Presidente da FPF (PB) nas instituições citadas. Ao inverso, é da praxe da nova administração a completa isenção e apoio a autonomia dos participes do nosso futebol.

 

Ato contínuo, pontue-se que a partir da nova administração os árbitros não são escolhidos, mas sorteados publicamente, antes das rodadas, com transmissão ao vivo pelo Facebook e a abertura para a imprensa e os desportistas presenciarem no local.

 

Ademais, no que concerne à prestação de contas e demais atos de gestão da FPF (PB), apesar de ser entidade privada sem recebimento de verbas públicas entre 2015 a 2017, período da atual administração, sempre prezou pelo respeito aos princípios da administração, tais como publicidade, eficiência, legalidade, impessoalidade e moralidade.

 

Após mais de duas décadas da gestão anterior, faz-se necessária uma modificação completa da cultura e dos caminhos outrora seguidos pela Federação Paraibana de Futebol.

 

Não se olvida ser um percurso doloroso e difícil, mas abraçado como causa justificadora maior do trabalho realizado com afinco e apreço, colocando-se à disposição de seus filiados e principalmente da Justiça, confiando na solução célere para que os problemas da gestão anterior tornem-se, de uma vez por todas, águas passadas, e o futebol paraibano alcance o lugar de destaque desejado por todos nós.

""

 

 

Notícias relacionadas

Cícero diz que não recebeu planejamento ou identificação de áreas alagadas de JP

Durante entrevista à Rádio Arapuan FM, o prefeito de João Pessoa, Cícero Lucena (Progressistas) detalhou a força-tarefa que está sendo realizada por secretarias para dirimir os efeitos das fortes chuvas…

Viúva de Zé Maranhão reforça afeto com senador Veneziano e família

Por meio das redes sociais do ex-governador e ex-senador José Maranhão, vítima dos efeitos da Covid-19, sua esposa a desembargadora Fátima Bezerra Maranhão, postou um artigo, onde detalha os sentimentos…