João Pessoa, 22 de Março de 2019
Saúde
18/02/2019 as 09:51min - PB Agora
Morre um dos bebês de mãe que denunciou negligência de médico do Isea em CG

Morreu nesse final de semana, um dos bebês da adolescente de 17 anos que denunciou o Instituo de Saúde Elpídio de Almeida (Isea) por negligência médica, em Campina Grande. A criança estava internada no hospital desde o dia do nascimento, 4 de fevereiro. O hospital informou que, após sofrer uma parada cardio-respiratória, a criança havia sido levada para a Unidade de Pronto Atendimento Intensivo (UTI), mas não resistiu.

 

De acordo com a denúncia, a adolescente, que estava grávida de gêmeos, com contrações e perdendo líquido, procurou a unidade para atendimento por duas vezes, mas o médico teria mandado ela voltar pra casa, alegando que os bebês iriam demorar para nascer. No entanto, ao chegar em casa, as contrações aumentaram e o pai das crianças foi quem deu início à realização do parto.

 

“Primeiro nasceu a menina, mas o menino estava na posição transversal e só saiu o bracinho. Eu estava só com ela em casa e entrei em desespero. Saí ligando para pedir ajuda e retornamos para o Isea, onde foi feita uma cesariana. Mas ele teve uma parada respiratória e precisou ser levado para a UTI, onde ainda está internado”, disse o pai das crianças, o auxiliar de movimentação Felipe Agra, 26 anos, que mora no bairro da Catingueira, em Campina Grande.

 

Denúncia junto ao MPPB

A denúncia, junto ao MPPB, foi realizada na quarta-feira (6). A primeira vez que a jovem procurou o Isea, sentido dores, foi no domingo (2), onde, segundo Felipe, o médico plantonista avisou que ela poderia voltar para casa, que os bebês não estavam perto de nascer. “Ela [a jovem] recebeu uma pulseira e voltou lá no outro dia, fez exames e foi novamente dito que ela podia voltar para casa.

 

Quando foi na madrugada do dia 4, os bebês nasceram”, acrescentou Felipe.

Além do MPPB, a família denunciou o caso à ouvidoria do Isea e do Sistema Único de Saúde (SUS), além de estar sendo acompanhada pela Comissão de Defesa dos Diretos da Saúde, da Ordem dos Advogados do Brasil, subseção de Campina Grande.

 

A direção geral do Isea afirmou que abriu sindicância e vai apurar o caso. Segundo o Isea, o médico denunciado está de licença médica, porque passou por uma cirurgia. Se a denúncia se comprovar, o médico poderá responder por crimes na esfera criminal, ética e civil, conforme a promotoria de saúde.

 

Redação com G1

 


Leia mais notícias sobre o mundo jurídico no Portal Juristas. Adquira seu certificado digital E-CPF ou E-CNPJ com a Juristas. Entre em contato através do WhatsApp (83) 9 93826000

 

Compartilhe